Club Setubalense [06-22 21h]    Quinta-Feira  2006-06-22 21h00   aberto ao público
Tertúlia da Cultura Científica   
Profª. Doutora Sandra Nunes
A importância da Estatística na análise de doenças como a Tuberculose e a SIDA, no âmbito da Tertúlia da Cultura Científica do dia 22 de Junho 2006 (Quinta-feira), pelas 21h00, na sede do Clube Setubalense (Av. Luísa Todi, nº99). A Palestra, intitulada “A Estatística e a Saúde – Aplicação do Modelo Logit à incidência da Tuberculose e da SIDA”, conta com a presença, enquanto oradora convidada, da docente da ESTSetúbal, Profª. Doutora Sandra Nunes.
Este mês, o tema a abordar assenta no desenvolvimento de modelos estatísticos que permitem obter estimativas para a incidência de certas doenças como a Tuberculose e a SIDA.
-
http://ltodi.est.ips.pt/dmat/docentes/snunes.htm
http://reporter.online.pt/soltas/estsetubal20060619_estatistica01.htm

-
Matemática (“A Estatística e a Saúde – Aplicação do Modelo Logit à incidência da Tuberculose e da SIDA”)


A Tuberculose e o Síndroma da Imunodeficiência Aquirida (SIDA) são problemas de saúde pública mundial de extrema importância. São, pois, importantes os estudos para modelar o comportamento destas doenças. Neste estudo, utilizam-se mínimos quadrados estruturados para ajustar o modelo a medidas logit de incidências de Tuberculose e de SIDA. Nele consideram-se dois factores, um factor de localização e um factor temporal.



No caso da Tuberculose, as localizações consideradas são alguns países da “WHO European Region” e, no caso da SIDA, os dezoito distritos de Portugal Continental e as duas Regiões Autónomas. O período de tempo em estudo é de seis anos para a Tuberculose e de treze anos para a SIDA.

 


: Sandra Cristina Dias Nunes Data de Nascimento: 02 de Fevereiro de 1970 Naturalidade: Portuguesa

Profissão: Docente do Ensino Superior  Local de Trabalho: Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Instituto Politécnico de Setúbal Campus do IPS, Estefanilha 2914-508 Setúbal  Portugal  Telefone: 265790000

Email: snunes@est.ips.pt

Habilitações Literárias

. Conclusão em Julho de 1993 da Licenciatura em Matemática Aplicada - Ramo Ciências Estatísticas, com a classificação final de 14 valores, na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

. Conclusão em Junho de 1998 do Mestrado em Actuariado e Gestão de Riscos Financeiros, com o tema “O Seguro de Doença – Avaliação Estatística da Tarifa para o Seguro de Grupo”, no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa.

. Conclusão em Abril de 2006 do Doutoramento na área de Matemática, especialidade de Estatística, com o tema “Incidências – Modelo Logit e Medidas Aproximadas de Impactos Ambientais”, na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

 

 

Experiência Profissional

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

. Projecto de Análise Estatística que incidiu sobre uma aplicação da Inferência

Estatística ao melhoramento vegetal (incluído na parte curricular da Licenciatura em

Matemática Aplicada - Ramo Ciências Estatísticas), em colaboração com a Estação

Nacional de Melhoramento de Plantas, no qual obteve a classificação de 17 valores.

Companhia Europeia de Seguros

. Estágio profissionalizante de Março a Julho de 1993 (incluído na parte curricular da

Licenciatura em Matemática Aplicada - Ramo Ciências Estatísticas), com o tema

“Estudo da Carteira e proposta de nova Tarifa para o Seguro de Doença - Grupo”, no qual obteve a classificação de 17 valores.

. Técnica do Gabinete de Estudos Não Vida desde de Julho de 1993 até Outubro de  1995.

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal / Instituto Politécnico de Setúbal

. Assistente do 1º Triénio do Departamento de Matemática a partir de Outubro de 1995  até Outubro de 1998.

. Professora Adjunta Equiparada do Departamento de Matemática a partir de Outubro de  1998.

Outras Actividades

• Acumulou o cargo de “Gestor Informático do Departamento de Matemática desde o

ano lectivo de 1996/97 até final do ano lectivo 2001/02, com uma interrupção entre  Janeiro e Julho de 2000.

• Membro do júri nomeado pelo Departamento de Matemática para seleccionar novos  docentes para o ano lectivo de 1999/2000.

• Membro da comissão organizadora do Congresso IO2000, organizado  conjuntamente pela EST, ESCE e APDIO.

Membro da comissão instaladora do INOVEST, entidade com vários objectivos na área da Estatística e da Investigação Operacional.

Vogal da Comissão Executiva do Departamento de Matemática da Escola Superior  de Tecnologia de Setúbal do Instituto Politécnico de Setúbal desde Setembro de  2005.

 

 

Publicações

• Mexia, J.T., Nunes, S. E Martinho, C. (1994). A regressional Model for Premium  Calculation Based on Risk Theory. Boletim do Instituto dos Actuários Portugueses,  No. 34.

• Co-autora conjuntamente com Carlos Luz e Ana Isabel Matos do Livro intitulado

“Álgebra Linear (volume I)”, editado pela Escola Superior de Tecnologia de Setúbal.

• Mexia, J.T. e Nunes, S. (2003). The Collective Model Applied to Health Statistics.

Boletim do Instituto dos Actuários Portugueses, No. 42.

• Nunes, S. , Mexia, J. T., and Minder, C. (2003). Bias of Logits in Environmental

Impact Studies. In: Proceedings of the 18 th

International Workshop on Statistical

Modelling, Verbeke, G., Molenberghs, G., Aerts, A., and Fieuws, S. (Eds.). Leuven:

Katholieke Universiteit Leuven, pp. 343-348.

• Nunes, S. , Mexia, J. T., and Minder, C. (2003). Enviesamento de Modelos Logit em

Estudos de Impactos Ambientais. Nas Actas do XI Congresso Anual da Sociedade

Portuguesa de Estatística, Rodrigues, P.M.M., Rebelo, E.L., e Rosado, F. (Eds.).

Faro, pp. 541-548.

• Nunes, S. , Mexia, J. T., and Minder, C. (2004). Logit Model for Tuberculosis in

Europe (1995-2000). In: Proceedings of the 19 th

International Workshop on  Statistical Modelling (Editors: A. Biggeri, E. Dreassi, C. Lagazio and M. Marchi),

Florence, Italy, pp. 465-469 .

• Nunes, S., Mexia, J. T., and Minder, C. (2004). Logit Model for Tuberculosis

Incidence in Europe (1995-2000). Analysis by Sex and Age Group. In: Colloquium

Biometryczne, Vol. 34, pg. 147-159.

• Oliveira, M., Nunes, S., Ramos L. Ee Mexia, J. T., (2005). Ajustamento de Modelos

Espacio-Temporais para a Sida utilizando Mínimos Quadrados Estruturados. Nas

Actas do XII Congresso Anual da Sociedade Portuguesa de Estatística. Editores:

Carlos A. Braumann, Paulo Infante, Manuela M. Oliveira, Russell Alpízar-Jara,

Fernando Rosado. Edições SPE, pp. 519-526.

 

 


 

Modelos matemáticos de previsão de desenvolvimento de vírus :Tuberculose , SIDA etc.

Se o novo vírus vier a possuir suficientes genes humanos, a transmissão pessoa a pessoa (em vez de aves para humanos somente) pode ocorrer. Quando isto acontece, há condições para o início de uma nova pandemia de gripe. Mais alarmante seria a situação na qual a transmissão pessoa a pessoa resultasse em sucessivas gerações de doença grave. Foi a situação que ocorreu na pandemia de 1918-1919, quando um sub-tipo de vírus completamente novo, emergiu e se propagou pelo mundo em cerca de 4-6 meses. Verificaram-se várias ondas da infecção ao longo de 2 anos, matando uma estimativa de 40- 50 milhões de pessoas

http://www.min-agricultura.pt/oportal/extcnt/docs/FOLDER/PROT_TEMAS/F_PECUARIA/F_GRIPE_AVIARIA/5-perg_frequentes.htm#15

em 1997, em 1997, o abate de todas as aves de Hong Kong - cerca de 1,5 milhão de galináceos e de outras espécies - foi feita em 3 dias. Em 2003, novamente, o abate na Holanda de, aproximadamente, 30 milhões de aves (de um total de uma população avícola de 100 milhões) fez-se numa semana. Muitos especialistas da gripe consideram que a acção imediata nestas situações terá evitado uma pandemia de gripe nos seres humanos.

 

VOLTAR